Cultura: Couve – Folha

O ciclo desta planta em produção é de 100 dias para o verão aumentando alguns dias a mais em épocas frias.  Pode ser cultivada em todo o país, não havendo data especial de plantio.  É uma planta tolerante a fatores climáticos, produzindo em regiões quentes e frias. Pode ser semeada em caixotes com terra peneirada ou casca de arroz carbonizada, nivelada e úmida. Colocar 2 a 3 sementes por célula se usar bandeja de semeadura ou cova se usar caixote.  A profundidade de plantio é de 0,5 cm. Cobrir a semente com terra seca peneirada e regar. A germinação ocorre em torno de 5 a 10 dias e deverá esperar até que cresça uns 8 cm de altura para levar ao canteiro. Preparar o solo do canteiro revolvendo bem a terra e adicionando de 2 a 5 kg/ m² de adubo animal bem curtido. Caso sua horta não seja completamente orgânica poderá acrescentar adubo granulado NPK formulação 10-10-10, cerca de 30 g/m².  Nivelar e fazer linhas de plantio, com espaçamento de 100 x 50 cm. A colheita, quando em produção comercial pode ser feita com 100 dias, mas para cultivo em horta doméstica bem antes disto você já poderá começar a retirar as folhas maiores para suas receitas.

– Variedades: Manteiga verde lisa, Manteiga verde crespa, Manteiga roxa e Gigante. As couves-manteiga são preferidas por serem mais tenras, enquanto que a couve gigante tem as folhas muito mais desenvolvidas.

Couve manteiga

– Propagação é feito por mudas destacadas do “pé-mãe”, essas mudas são brotos que nascem nas axilas das folhas, principalmente durante a época mais quente. Propaga-se também por sementes. Neste caso, semeia-se em lugar sombreado, transplantando-se para o definitivo, quando as mudinhas tiverem cerca de um palmo de altura, deixando-as a 50cm em todos os sentidos. Produção de mudas por bandeijas, sendo que um grama (1 gr.) de semente fornece mudas para cerca de 50 metros quadrados.

Mudas

Época e regiões para plantio: A couve é uma cultura típica dos períodos de outono e inverno, apresentando certa tolerância ao calor. Pode ser plantada durante o ano todo, mas as épocas mais indicadas por região estão descritas abaixo: (tabela)

– Adubação: através da análise química, mas com base para os solos de média fertilidade, a seguinte adubação: 3 litros de esterco para o espaçamento usual que é de 1,00 x 0,50 m.

* Receita de Substrato para Brassicas

7 litros de composto ou húmus peneirado

3 litros de vermiculita ou casca de arroz queimada

100 gramas de termofosfato ou farinha de ossos

100 gramas de torta de mamona

10 gramas de trichoderma

– Colheita: se processa 50 dias após o plantio das mudas e 90 dias após a semeação e colhe-se praticamente o ano todo. Uma boa planta produz cerca de 4 a 5 kg de folhas por ano.

Colheita

– Recomendações de aproveitamento: As folhas da couve podem ser comercializadas em maços e na forma minimamente processada, ou seja, já picadas e embaladas. A couve pode ser consumida crua, em sucos e saladas, refogada ou como ingrediente de sopas, farofas e cozidos. Deve ser comercializada e consumida em pouco tempo, pois sua vida útil é curta, quando não congelada.

Maço - colheita

– Tratos culturais: capinas, desbrotas freqüentes (deixar as hastes crescerem livremente), irrigação.

Irrigação

– Pragas: desta cultura são as lagartas, traças, pulgões, e mosca minadora;

Lagarta

Lagarta

Lagarta

Pulgão

Pulgão

Pulgão

Mosca minadora

– Doença: mais comuns são podridão mole, fusariose, mosaico, podridão negra, míldio.

Podridão Negra

Míldio

Fusariose

Anúncios

37 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Flavio Carvalho
    jan 15, 2014 @ 11:41:28

    Estou com problema com a traças que entrou na minha orta tenho 10000 pés de couve plantado acho que devo colher 40000 no máximo o reto a traça comeu que devo fazer pra controlar esse praga?

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      jan 19, 2014 @ 16:18:51

      Olá…
      Traça das crucíferas (Plutella xylostella): O adulto da traça é uma mariposa de coloração parda. A fêmea deposita os ovos na página inferior das folhas, isolados ou em grupos de 2 ou 3. Esses ovos são minúsculos, arredondados e de coloração esverdeada. Após 3 ou 4 dias nascem as lagartinhas que penetram no interior da folha, onde permanecem por 2 ou 3 dias. Após esse período, abandonam a galeria e passam a alimentar-se da epiderme da página inferior da folha. As lagartas atingem o máximo desenvolvimento, com 8 a 10 mm de comprimento, 9 a 10 dias após a eclosão. São de coloração verde clara com cabeça de cor parda e sobre o corpo notam-se pequenos pelos escuros e esparsos. Para se transformarem em pupas, tecem um pequeno casulo na face inferior das folhas. Depois de 4 dias, emerge o adulto, para novo ciclo biológico.
      Prejuízos: atacam as plantas logo após o transplante das mudas, causando grandes danos, pois se alimentam da parte externa ou interna das folhas, tornando, assim, o repolho impróprio para comercialização. A perda pode chegar até a 60%.

      Controle: Para pequenas hortas domésticas ou orgânicas, métodos alternativos poderão ser usados como, por exemplo, a mistura de 5 g de sal de cozinha (1 colher de chá) para 20 mL de vinagre (1 colher de sopa) em 1 L de água. Acrescentar 2,5 mL (meia colher de chá) de detergente líquido. Pulverizar as plantas atacadas a cada 5 a 7 dias. Extrato de sementes de Nim também pode ser aplicado na cultura. Colocar 15 a 50 g de sementes moídas (amarradas em um pano) em 1 L de água. Deixar macerando por 24 horas e, em seguida, pulverizar as plantas. Se as sementes não estiverem disponíveis, pode-se lançar mão de produtos formulados à base de Nim.
      Para aumentar a resistência das plantas contra as pragas pode-se aplicar um chá preparado a partir de 100 g de cavalinha seca ou 300 g da planta verde. Deixar macerando em 10 L de água por 24 horas, em seguida ferver por 10 minutos. Diluir em 90 L de água e regar ou pulverizar as plantas.

      O emprego de produtos químicos requer os devidos cuidados, como a escolha do inseticida devidamente registrado para o controle da praga, leitura atenta da bula da embalagem, observação do período de carência (intervalo entre a última pulverização e a colheita), descarte adequado das embalagens vazias e uso de equipamento de proteção individual.
      Tabela de produtos químicos:
      http://www.biologico.sp.gov.br/popimg.php?id_artigo=74&pic=tabela

      Alguns links que possa lhe ajudar:
      http://www.ica.ufmg.br/insetario/images/aulas/Pragas_de_brassicas.pdf
      http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/63832/1/Circ-Tec-35.pdf
      http://www.grupocultivar.com.br/site/content/artigos/artigos.php?id=218

      Obrigada e volte sempre 😀

      Responder

  2. leandro silva de souza
    jan 03, 2014 @ 14:12:40

    Gostaria de saber o modo mais pratico de combater a podridão negra na minha plantação de couve? Desde de já agradeço a atenção.

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      jan 19, 2014 @ 15:57:38

      Olá…

      Condições úmidas favorecem o crescimento da podridão negra de esporos inertes que sobrevivem no solo úmido até que um hospedeiro esteja disponível. Então, os esporos inertes germinam e esporos móveis penetram as raízes. As raízes não precisam de feridas para serem infectadas.

      Atualmente, essa doença tem sido parcialmente controlada pela utilização de cultivares resistentes. O emprego de sementes sadias é indispensável para controle dessa bacteriose.

      O tratamento térmico de sementes de repolho e de couve-de-bruxelas (imersão em água a 50oC, durante 25min) e de sementes de brócolis na mesma temperatura, durante 20min, é indicado e com água a 50oC, por 30min, para erradicação de X. c. pv. campestris de sementes de repolho. Ou geral, realizar o tratamento térmico dessas sementes por meio da imersão em água a 50ºC e por 25 a 30 minutos.

      Outra possibilidade de controle é o tratamento de sementes com antibióticos. Pode-se usar imersão por 30min em solução de aureomicina ou terramicina, na dosagem de 1 a 3g do antibiótico por litro de água. O excesso do antibiótico é neutralizado imergindo-se as sementes, por 30min, em salmoura (15g de sal de cozinha por litro de água).

      É recomendado a eliminação total, por meio de aração profunda, de restos culturas infectados, plantas voluntárias e plantas daninhas hospedeiras do patógeno. Em áreas anteriormente cultivadas com crucíferas, é aconselhável a rotação de culturas por um período de dois anos. O plantio de variedades ou híbridos com maiores níveis de resistência é recomendado.

      Também é recomendado:
      – Escolher a época de plantio adequada, preferencialmente períodos mais secos e frios, especialmente para os genótipos mais suscetíveis.
      – Selecionar o local de plantio, evitando-se solos infestados e proximidade de plantios contaminados.
      – Conservar bons níveis de N, P, K e micronutrientes no solo, pois a deficiência aumenta a propensão das plântulas à doença.
      – Utilizar sementes certificadas.
      – Efetuar o tratamento químico das sementes pelos seguintes procedimentos:
      – Tratamento seco por 16 horas com hipoclorito de cálcio na proporção de 10 a 20g do p.a. por kg de sementes.
      – Tratamentos com Nyolate (desinfetante à base de ácido lático e hipoclorito de sódio) por 30 a 60 minutos.

      No caso da presença de plantas doentes, deve-se eliminar a cultura por meio de aração profunda e rotação de culturas por um período de dois anos, com plantas do grupo das gramíneas, leguminosas ou solanáceas.

      Use compostos baseados em cobre em plantas infectadas com podridão negra; os compostos incluem hidróxido de cobre, óxido de cobre, sulfato de cobre básico, oxicloreto de cobre, e carbonato de amónio de cobre. Aplique-os com moderação porque muito cobre pode machucar sua planta. Os fungicidas manebe, mancozeb, e zinebe são eficientes no controle de podridão negra. Compostos de estanho orgânico também são eficientes, mas mais tóxicos para a planta. Use os compostos sistêmicos fenilamida, fosfonato, ácido cinâmico e quinina, já que eles se movimentam para cima das raízes para matar a podridão negra nas folhas. Aplique-os quando a planta estiver em crescimento ativo. Todos estes produtos podem ser usados no solo ou em sprays nas folhas. Use os sprays nas folhas quando as folhas estão infectadas porque o produto aplicado no solo ficará muito diluído ao se mover para as folhas para conseguir controlar o fungo eficientemente.

      Ou Tiabendazol (Benzimidazol).

      Alguns links que talvez lhe ajude.
      http://www.cpafrr.embrapa.br/embrapa/attachments/146_0_ei_112000_repolho_joaci.pdf

      Obrigada e volte sempre 😀

      Responder

  3. Pedro Melo
    dez 31, 2013 @ 16:34:19

    Gostaria de saber como fazer um controle da podridão negra em couve na fase de produção.

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      jan 19, 2014 @ 15:57:27

      Olá…

      Condições úmidas favorecem o crescimento da podridão negra de esporos inertes que sobrevivem no solo úmido até que um hospedeiro esteja disponível. Então, os esporos inertes germinam e esporos móveis penetram as raízes. As raízes não precisam de feridas para serem infectadas.

      Atualmente, essa doença tem sido parcialmente controlada pela utilização de cultivares resistentes. O emprego de sementes sadias é indispensável para controle dessa bacteriose.

      O tratamento térmico de sementes de repolho e de couve-de-bruxelas (imersão em água a 50oC, durante 25min) e de sementes de brócolis na mesma temperatura, durante 20min, é indicado e com água a 50oC, por 30min, para erradicação de X. c. pv. campestris de sementes de repolho. Ou geral, realizar o tratamento térmico dessas sementes por meio da imersão em água a 50ºC e por 25 a 30 minutos.

      Outra possibilidade de controle é o tratamento de sementes com antibióticos. Pode-se usar imersão por 30min em solução de aureomicina ou terramicina, na dosagem de 1 a 3g do antibiótico por litro de água. O excesso do antibiótico é neutralizado imergindo-se as sementes, por 30min, em salmoura (15g de sal de cozinha por litro de água).

      É recomendado a eliminação total, por meio de aração profunda, de restos culturas infectados, plantas voluntárias e plantas daninhas hospedeiras do patógeno. Em áreas anteriormente cultivadas com crucíferas, é aconselhável a rotação de culturas por um período de dois anos. O plantio de variedades ou híbridos com maiores níveis de resistência é recomendado.

      Também é recomendado:
      – Escolher a época de plantio adequada, preferencialmente períodos mais secos e frios, especialmente para os genótipos mais suscetíveis.
      – Selecionar o local de plantio, evitando-se solos infestados e proximidade de plantios contaminados.
      – Conservar bons níveis de N, P, K e micronutrientes no solo, pois a deficiência aumenta a propensão das plântulas à doença.
      – Utilizar sementes certificadas.
      – Efetuar o tratamento químico das sementes pelos seguintes procedimentos:
      – Tratamento seco por 16 horas com hipoclorito de cálcio na proporção de 10 a 20g do p.a. por kg de sementes.
      – Tratamentos com Nyolate (desinfetante à base de ácido lático e hipoclorito de sódio) por 30 a 60 minutos.

      No caso da presença de plantas doentes, deve-se eliminar a cultura por meio de aração profunda e rotação de culturas por um período de dois anos, com plantas do grupo das gramíneas, leguminosas ou solanáceas.

      Use compostos baseados em cobre em plantas infectadas com podridão negra; os compostos incluem hidróxido de cobre, óxido de cobre, sulfato de cobre básico, oxicloreto de cobre, e carbonato de amónio de cobre. Aplique-os com moderação porque muito cobre pode machucar sua planta. Os fungicidas manebe, mancozeb, e zinebe são eficientes no controle de podridão negra. Compostos de estanho orgânico também são eficientes, mas mais tóxicos para a planta. Use os compostos sistêmicos fenilamida, fosfonato, ácido cinâmico e quinina, já que eles se movimentam para cima das raízes para matar a podridão negra nas folhas. Aplique-os quando a planta estiver em crescimento ativo. Todos estes produtos podem ser usados no solo ou em sprays nas folhas. Use os sprays nas folhas quando as folhas estão infectadas porque o produto aplicado no solo ficará muito diluído ao se mover para as folhas para conseguir controlar o fungo eficientemente.

      Ou Tiabendazol (Benzimidazol).

      Alguns links que talvez lhe ajude.
      http://www.cpafrr.embrapa.br/embrapa/attachments/146_0_ei_112000_repolho_joaci.pdf

      Obrigada e volte sempre 😀
      http://www.iac.sp.gov.br/publicacoes/publicacoes_online/pdf/Tecnico200.pdf

      Responder

  4. irineu evangelista dantas
    nov 25, 2013 @ 18:39:12

    tenho uma pequena plantação de couve,e elas estão,com muitos pulgões,e largata e o que devo aplicar para sanar estes problema na minha hortaliça obrigado.

    Responder

  5. Nelcy vicente
    nov 22, 2013 @ 08:07:03

    Queria saber como faço para que o pé de couve continue dando folhas novas depois da colheita

    Responder

  6. Sebastião R Salomão
    out 11, 2013 @ 22:14:31

    Alexandra, parabens pelo seu blog. Você presta um serviço de utilidade pública ensinando horticultura. Muito bom.
    Uma consulta: a minha plantação de couve murchou, secou, acabou. Isto ocorreu depois da aplicação de uréia. Não é adequada para essa folhagem?
    Deixe-me explorar mais um pouco: onde posso adquirir mudas de LONGAN?
    Obrigado.

    Responder

  7. Agostinho Fabricio
    ago 14, 2013 @ 17:58:47

    Agostinho Fabricio: Gostaria de saber qual o melhor remédio para eliminar pulgão

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      ago 18, 2013 @ 11:20:00

      Ola…

      Pulverize com extrato de fumo.
      O extrato de fumo deve ser preparado se seguinte forma: Coloque um pouco do fumo de rolo picado em uma tigela e cubra com álcool (líquido ou gel) Quando o fumo tiver absorvido todo o álcool, coloque novamente um pouco de álcool diluído em água. Deixe por 48 horas em local fresco.
      Torça o preparado em um pano ralo e guarde-o em uma garrafa em local escuro.
      Pulverize este extrato sobre toda a folha para espantar pulgões. Se desejar também combater cochonilhas, na hora de usar, misture cerca de um copo desse líquido com 100 g de sabão neutro derretido em água quente. Acrescente mais 10 litros de água, coe e pulverize.

      Outra: A erva denominada como coentro (Coriandrum sativum) tem combate a ácaros e pulgões, Moa as sementes e polvilhe-as sobre as plantas e o solo.

      Outra: A cebola (Allium cepa) controla lagartas em beterrabas, broca e ferrugens em plantas, também combate pulgões: Corte a cebola em fatias ou bata no liquidificador com água. Adicione meio litro de água. Borrife a mistura sobre as plantas 2 vezes ao dia num intervalo de 5 dias. Plante cebola perto da planta lantana ou cambará para repelir brocas.

      Outra: As folhas de arruda (Ruta graveolens) são ótimas para combater os pulgões e ajudam a manter os cítricos saudáveis. Ferva folhas durante 5 minutos. Deixe esfriar e pulverize as plantas.

      obrigada e volte sempre 😀

      Responder

    • Agostinho Fabricio
      ago 28, 2013 @ 12:30:19

      Bom dia: Estou muito contente em participar deste trabalho com minhas plantinhas e estou aprendendo muito, os pulgões já dominei:
      Abraço.

      Responder

      • Alessandra C. Oliveira
        set 01, 2013 @ 13:41:43

        Que beleza …. qualquer duvida …. qualquer ajuda …. o que site poder ajudar conte com a gente …
        Obrigada e volte sempre 😀

        Responder

  8. Cristiano Santiago
    jul 06, 2013 @ 16:11:49

    Tenho uma pequena plantação de couve caseira, gostaria de saber:o que uso para combater podridão negra e o que está acontecendo com as folhas,estão ficando cobertas de películas brancas, parecendo mofo.Não gostaria de usar agrotóxico. Desde já agradeço.

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      jul 07, 2013 @ 19:52:36

      Olá…
      A podridão-negra (Xanthomonas campestris pv. Campestris) é causada por bactéria; ocorrem em condições de tempo quente e úmido. Para esta doença, deve-se fazer o controle preventivo. Entre as medidas, destacam-se: 1) na produção de mudas utilizar sementes sadias, semeadas em bandejas de isopor com substrato isento de doenças; 2) utilizar cultivares resistentes; 3) rotação e consorciação de culturas; a rotação e consorciação de culturas com espécies de outras famílias botânicas (com excessão das brássicas), especialmente com adubos verdes, principalmente leguminosas é uma prática altamente recomendável pois além de diminuir as pragas e doenças, melhora a fertilidade do solo através da reciclagem de nutrientes, aumenta a matéria orgânica, fixa o nitrogênio do ar, abafa as plantas espontâneas, cobre o solo diminuindo a erosão e, ainda mantêm a umidade do solo e 4) eliminar restos de culturas anteriores de espécies pertencentes a mesma família botânica (brássicas). Caso necessário, recomenda-se a pulverização com calda bordalesa (0,5%); é importante lembrar que este fungicida é tolerado no cultivo orgânico, mas deve-se obedecer a carência que é de 7 dias entre a última aplicação e colheita das folhas.
      Sobre o mofo branco, encontrei duas formas.Vou colocar o que encontrei. Controle natural, o fungo utilizado é o Trichoderma, que tem a capacidade de se alimentar de fungos fitopatogênicos, controlando e reduzindo a pressão do inoculo da doença no campo. O controle biológico com Trichoderma para o mofo-branco é de forma preventiva e pode ser realizado no tratamento de sementes ou com pulverização em área total quando a cultura estiver com três a quatro trifólios. O controle deve adotar um conjunto de práticas de manejo que irão atuar para o controle da doença, como rotação de culturas, manejo de palhada, entre outras. Recomenda-se a aplicação do Trichoderma e o monitoramento da doença, além da aplicação com o fungicida químico quando necessário. O uso isolado do Trichoderma não resolve totalmente o problema do mofo-branco, principalmente no primeiro ano de aplicação, mas reduz a incidência e severidade da doença, tornando a aplicação do fungicida menos freqüente. A aplicação pode ser realizada conjuntamente com a irrigação e deve-se sempre evitar a aplicação conjunta com defensivos. A umidade do solo é fundamental para a eficiência do controle biológico, portanto devemos aplicar o Trichoderma preferencialmente antes da irrigação ou de chuvas. O produto comercial da Turfal é o Trichodermax, que é composto pelo fungo Trichoderma asperellum, com concentrações de 1,5 x 109 e 1,5 x 1010 UFC/g ou UFC/mL, e é formulado em pó molhavél e em óleo emusionável, o que facilita a aplicação e permite o uso tanto em tratamento de semente como em pulverização.
      Outra forma de controle é o uso de sulfato de cobre + enxofre, é Para cada litro de água, misturar 3 g de sulfato de cobre + 3 grama de enxofre. Colocar os produtos em pequenas quantidades de água para a diluição. Depois juntar com o restante da água passando por uma peneira para reter os resíduos sólidos dos produtos misturados para evitar o entupimento dos bicos na hora da pulverização. Mistura-se bem e faz-se a aplicação por cima e por baixo das folhas. Repete-se o mesmo procedimento a cada 15 a 20 dias. Deve-se aplicar preventivamente mesmo sem o ataque da doença. Este produto serve para o controle da pinta preta da roseira também. Lembrando-se que o preparo e aplicação do produto devem ser efetuados com EPI (equipamento de proteção individual).

      Segue alguns links que talvez possa lhe ajudar:
      https://jornalagricola.wordpress.com/2012/01/22/controle-natural-de-praga-parte-1/
      https://jornalagricola.wordpress.com/2012/01/22/controle-natural-de-praga-parte-2/
      https://jornalagricola.wordpress.com/2012/01/25/controle-natural-de-praga-parte-3/
      http://www.dag.ufla.br/site/_adm/upload/file/Luciane%20Vilela%20Resende/Manejo_integrado_de_pragas_e_doencas1%5B1%5D.pdf

      Obrigada e volte sempre 😀

      Responder

  9. Consuelo
    maio 31, 2013 @ 15:14:36

    Ola, estou interessada em saber sobre as flores que dao na couve.Depois que as flores apareceram as folhas ja nao ficaram tao bonitas e parece que o pe’ vai morrer e tenho essa mesma mesma pergunta a respeito do manjericao. Obrigada.

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      maio 31, 2013 @ 18:41:08

      Olá…
      Desculpe mas eu não sei o pq. Mas existem alguns mecanismos da planta, para sua sobrevivência, é emitir as flores e garantir sua existência na terra, sendo assim ela coloca toda sua força para emitir as flores.
      Mas uma planta (só uma), em vaso por exemplo, dá para se colher 3 ou 4 folhas a cada duas semanas. E o pé dura muitos meses, mas muitos meses. Você já começa a colher folhas quando ele ainda é baixinho, com 30 cm de altura, e com o passar do tempo ele vai ficando alto, chega a mais de 1,5 metro. Como você só quer as folhas corte as flores, e quando houver a necessidade de novas plantas é mais fácil comprar mudinhas novas, neh.
      O manjericão é bom corte regularmente as flores, sei que a planta fica linda com estas flores. Mas cortá-la, permitirá que a planta cresça mais forte e produza novas folhas. Há quem diga que o sabor do manjericão altera ( para pior) quando você mantém as flores.

      Espero que tenha ajudado … obrigada e volte sempre que precisar 🙂

      Responder

  10. Juma Ernesto Mahando
    abr 27, 2013 @ 18:03:08

    Malta oferece materia boa e de auto conhecimento

    Responder

  11. Luiz Cleiton Delaviega
    abr 24, 2013 @ 17:08:52

    ok!
    vou fazer minha horta bem feitinha…
    pois com todas essas dicas… meu deus até imagino que hotão que vai dar!!
    kkkkkk

    Responder

  12. julianarodrigues1900@hotmail.com
    fev 03, 2013 @ 08:05:07

    muito interessante organicos ,compostagem mas para vendas maiores só isso não da, qual é o adubo melhor para couve nesses casos ?

    Responder

  13. Eno Drews
    dez 18, 2012 @ 08:57:51

    Eu uso o abuso organico que mesmo faço: de folhas, galhos etc…. Somente venho adubando desta forma. é correto ou tenho que usar outras maneiras ?

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      dez 18, 2012 @ 09:21:41

      Olá,
      Depende qual sua finalidade de produção, pois as vezes só adubo organico não dá conta do recado e você precise acrescentar adubo quimico. Quando a produção é caseira ou a propriedade é pequena (mesmo que para venda) o adubo organico é muitooo bom e recomendo sim. Acredito que você usa uma composteira (https://jornalagricola.wordpress.com/2011/12/10/horta-epoca-e-compostagem/). Coloque esterco também …. ajuda muito.
      A planta retira os nutrientes do solo e, depois, quando as plantas morrem, elas se decompõem e devolvem tais nutrientes à terra, o que possibilitará que outras plantas possam usar esses nutrientes para crescer. No entanto, o ser humano interfere nesse ciclo, colhendo as plantações. Então, com o passar do tempo, os nutrientes da terra vão cessando, empobrecendo o solo, que não mais poderá ser usado para o plantio. Assim, é preciso que o próprio homem enriqueça o solo com esses nutrientes. Isso é feito por meio de adubos, que podem ser orgânicos ou inorgânicos.
      O adubo organico tem como vantagens do adubo orgânico é que, com a compostagem, reciclam-se resíduos sólidos. Que podem ser como esterco, farinhas, bagaços, cascas e restos de vegetais (compostagem); o uso dos adubos orgânicos, dizendo que eles não causam nenhum risco ambiental. O adubo inorganico (quimico) como eles se apresentam na forma iônica, seus nutrientes são absorvidos pelas plantas com maior facilidade e o resultado é mais rápido, porém o seu uso errado pode salinizar seu solo (o que seria isso? é o uso exagerado de adubo no solo (seria como se vc coloca-se sal demais na comida)).
      Obrigada e volte sempre que precisar.

      Responder

  14. rosa helena s.santos
    nov 27, 2012 @ 08:04:51

    obrigado por existir pessoas inteligentes como vc para nos ajudar moro na fazenda aqui plantamos muitas coisas e vc nos ajudou muito

    Responder

    • Alessandra C. Oliveira
      nov 27, 2012 @ 18:16:28

      Obrigada e volte sempre que precisar.
      O blog está aqui para ajudar e ajudarei sempre que for possivel…
      Qualquer sugestão ou dúvida entre em contato.

      Responder

  15. Lourdes
    set 02, 2012 @ 19:29:09

    Use neem, como extrato das folhas ou das sementes, com frequencia. Uma boa combinação é extrato de neem com alho e um pouco de vinagre de maçã.
    Boa sorte na plantação!

    Responder

  16. alexandra maçaneiro
    jan 17, 2012 @ 18:55:18

    gostaria de saber como conbater essa praga que da na colve cem usar agrotoxico tou usando casca de ovo ajudol muito .

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: